Hirschman e a dessacralização da epopeia do desenvolvimento por um desenvolvimentista

Renato S. Maluf
Este ensaio se inspira na obra de Albert Otto Hirschman, personagem peculiar e pensador brilhante morto em dezembro de 2012, cuja trajetória incluiu longa e estreita relação com a América Latina, inclusive o Brasil. Atribuir-lhe, desde logo, a condição de economista poderia empobrecer o perfil de um autor reconhecidamente profícuo e com um pensamento tido como “polifônico” (McPherson, 1988, p. 319) pela amplitude dos temas que tratou e pelos variados conceitos e enfoques que era capaz de mobilizar. Cultivava “a arte de ultrapassar fronteiras”, sobretudo, as disciplinares, num estilo despretensioso que torna leve um raciocínio sofisticado baseado em notável erudição.

Revista de Economía Política, vol. 35, nº 1 (138) - janeiro/março de 2015